Como compor?


Tem sido recorrente alguns alunos me perguntarem sobre como conseguir compor com facilidade e fluidez.

A composição é um processo que engloba praticamente todas as áreas da música, por isso pode ser um pouco difícil começar esse processo quando ainda temos pouco conhecimento teórico.

Mesmo assim, a composição não requer que você conheça absolutamente nada, basta pensar numa melodia, canta-la e gravar no seu celular. Pronto, você registrou um trecho de música. A diferença é que, conforme você conhece e reconhece mais acordes, suas opções de sonoridades aumentam gradativamente. Quanto maior a sua habilidade de reconhecer intervalos melódicos, maior será a sua "paleta" melódica.

Teoricamente, quanto mais você conhece teoria musical, mais facilidade de compor você terá.

Porém, na prática, é um pouco diferente.

A criação parece que vem do nada, mas a verdade é que existe uma espécie de "músculo da criatividade" que precisa ser exercitado periodicamente para se alcançar uma certa facilidade nessa atividade. Por isso, a minha primeira sugestão para quem quer começar a compor é: FAÇA.

Compor é uma atividade muito singular e subjetiva, e é muito importante você conhecer bem o SEU processo, as SUAS facilidades e dificuldades, e trabalhar para aperfeiçoa-las.

Não é sempre que a inspiração vem, por isso pode ser muito cansativo tentar compor. Quando esse é o caso, eu defino um objetivo que pode parecer inútil mas é muito bom a longo prazo: criar uma música com início, meio e fim, não importa a forma, e não importa a qualidade. Eu fiz muitas músicas que eu nunca tocaria nem pra mim mesmo, de tão ruins. Mas o trabalho de cria-las até o fim é o que vai lapidar a sua habilidade no negócio. O que importa é terminar o dia com uma música inteira!

Além disso, pelo menos na minha experiência, parece que a composição tem um caráter cumulativo. Depois de compor 10 blues com forma e melodia muito simples, é como se você se sentisse apto a fazer um blues com uma levada diferente, ou com alguns acordes diferentes. Ou uma melodia com mais ou menos notas, dinâmicas, articulações. Andamentos diferentes. Quanto mais coisas simples foram feitas, mais base existe para experimentar. Se não der certo, não tem problema, você já sabe fazer um blues simples que dá certo.

Atitude e referência é tudo o que você precisa.

Depois da atitude de simplesmente fazer, o passo mais importante é se cercar de referências: Como compor um blues se eu não lembro de nenhum blues?

Em geral - a não ser que eu já tenha alguma idéia rondando minha mente -, antes de compor, eu começo a escutar música. Qualquer música. Sempre há algo numa música que se possa tirar de referência para criar algo novo. Lembre-se: nada se cria!

Eu deixo que esse processo seja bastante intuitivo: se alguma coisa na música me chamar atenção e fica se repetindo na minha mente, sinal de que tem algo de interessante ali. A partir daí duas coisas acontecem na minha cabeça, tudo sem muito pensamento:

1. o trecho ou elemento vai se transformando naturalmente, virando um som diferente, formando melodias, ritmos, acordes, etc.

2. ou a coisa simplesmente repete e morre.

No primeiro caso, é a criatividade tendo liberdade para criar, e aí é só registrar o que vier.

No segundo, a idéia morreu. Por isso mesmo jogue-a fora e volte pro fone de ouvido para escutar alguma coisa diferente. Pode ser que na próxima tentativa dê certo!

É muito difícil eu ter que repetir o processo por mais de 5 músicas. Depende muito do estado de abertura e recepção que você estiver no momento. As vezes o primeiro acorde já dá mil idéias. As vezes 10 músicas não trazem nada...

Compartilhe sua música!

Ninguém pior do que você mesmo para julgar a sua música nova. Você tem ambições de se tornar um compositor excelente, e suas primeiras músicas provavelmente não têm nada a ver com aquelas coisas maravilhosas que você, um dia, com certeza virá a criar. Além do mais, somos todos humanos, cheios de conflitos internos e motivos para ficarmos em casa nos lamentando por nossos erros e atitudes. Por isso é muito importante compartilhar suas criações com outras pessoas de sua confiança, para ver o que elas acham.

99% das críticas sinceras acabam surpreendendo o criador, seja através de uma sugestão que você nunca tinha pensado e que pode melhorar muito a sua música, ou uma música que você não dava o menor valor acaba agradando várias pessoas.

Lembre-se que a experiência musical é muito subjetiva, sempre haverá alguém que vai gostar do seu trabalho, assim como sempre haverá quem odeie. Por isso mesmo, não leve as críticas muito ao pé da letra. Analise bem o que for dito, e se você realmente concordar, faça algo a respeito para mudar aquilo que não te agrada ou para manter aquilo que te agrada.

Além disso, procure parceiros de composição. Você pode aprender muito com os processos criativos de outras pessoas, e elas podem acabar colocando aquele tempero que faltava na sua criação.

Algumas dicas para tirar a ferrugem da composição!

Essas sugestões não foram feitas por mim. Eu recebi essa lista de alguém que disse que o George Colligan (pianista americano) criou para os alunos da University of Manitoba, onde estudei há dois anos atrás.

Se você estiver tendo problemas para começar, aqui vai a lista de exercícios de composição para alcançar inspiração:

- Escreva uma música com 1 nota, 2 notas, etc...;

- Escreva uma música com 1 nota e ritmos legais;

- Escreva uma música com 2 notas e com o máximo de acordes legais que você conseguir;

- Escreva uma melodia folk simples;

- Escreva uma música modal em qualquer tempo e ritmo;

- Escreva um blues;

- Escreva um blues com ponte;

- Escreva um blues num tom incomum;

- Escreva um blues numa fórmula de compasso incomum;

- Escreva um rhythm changes;

- Escreva um rhythm changes com uma ponte diferente;

- Escreva um blues ou rhythm changes com acordes menos complexos;

- Escreva um blues ou rhythm changes com acordes mais complexos;

- Escreva um blues ou rhythm changes em compasso ímpar;

- Escreva uma música com pelo menos duas fórmulas de compasso diferentes;

- Escreva uma melodia nova sobre acordes de uma música já existente;

- Escreva uma melodia nova sobre acordes existentes mas em outro tom;

- Escreva uma melodia nova sobre acordes existentes mas em tempos rítmicos diferentes (mais ou menos acordes por compasso);

- Escreva uma melodia mais simples do que a original;

- Escreva uma música MUITO parecida com a sua música favorita e vá mexendo em todos os elementos (melodia, harmonia, ritmo, forma, métrica, tonalidade) até ficar irreconhecível;

- Re-harmonize uma música conhecida, e escreva uma nova melodia em cima. Repita esse processo várias vezes.

- Pegue o primeiro acorde da sua música favorita e continue por caminhos completamente diferentes;

- Escreva uma música baseada numa balada, e a transforme numa canção rápida, e vice-versa;

- Escreva um tema AABA;

- Escreva um tema AABA e depois inverta: BBAB;

- Escreva um tema de 8 compassos;

- Escreva um tema de 4 compassos;

- Escreva uma música com melodias novas, sem parar, até cansar;

- Escreva algo simples e aberto em que músicos possam improvisar em cima facilmente;

- Escreva algo tão complicado que ninguém consiga improvisar em cima;

- Escreva uma música nas seguintes ordens:

1 - melodia, harmonia, ritmo.

2 - ritmo, melodia, harmonia.

3 - harmonia, ritmo, melodia.

Fique à vontade para experimentar e, se gostou do resultado e quiser um feedback, pode me mandar através do contato aqui do site. Fique à vontade para comentar os resultados. Será que essas dicas funcionam com você?

Boas experimentações e até a próxima!

Mais Lidos
Posts Recentes
Arquivo
Tags
Siga-Me!
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 by HUMBERTO PICCOLI. Proudly created with Wix.com